InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 ENTRE OS HORRORES DO FANATISMO E DO RELATIVISMO

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Vitor mango

avatar

Mensagens : 4711
Data de inscrição : 13/09/2007

MensagemAssunto: ENTRE OS HORRORES DO FANATISMO E DO RELATIVISMO   Seg Out 08, 2007 3:58 pm



ENTRE OS HORRORES DO FANATISMO E DO RELATIVISMO

João César das Neves
professor universitário
naohaalmocosgratis@fcee.ucp..pt
A universidade não costuma ver-se no centro de questões candentes. Ocupada no ensino e elaboração do saber, são--lhe mais próprias as discussões académicas. Mas dois acontecimentos recentes envolveram duas vetustas escolas nos dramas actuais.

A 24 de Setembro, o Presidente do Irão visitou a Universidade de Columbia, em Nova Iorque. Na apresentação de Mahmoud Ahmadinejad, o presidente da instituição prof. Lee C. Bollinger, citando críticas pertinentes, insultou o seu convidado chamando-lhe "ridículo" e "ditadorzinho cruel". Em resposta, o político muçulmano, que é doutorado em Engenharia, manteve a compostura e afirmou: "No Irão, quando convidamos alguém para casa, tratamo-lo com respeito."

O episódio, sendo menor, é muito simbólico. Por um lado um professor de Direito, especialista em liberdade de expressão, cobriu-se de vergonha, violando as elementares regras de cortesia e recebendo lições de educação do hóspede. Os muçulmanos têm justificadas razões de queixa, a juntar aos cartoons nórdicos, que aliás se repetiram essa semana na Suécia. Os ocidentais, ditos civilizados, parecem não saber a diferença entre liberdade de expressão e insulto soez e gratuito. Mas desta vez não se ouviram protestos ou ameaças contra a universidade ou o professor.

Por outro lado, o primeiro regime teocrático xiita da História não é uma ditadura desmiolada. É uma democracia que há quase três décadas manobra com argúcia na cena mundial. Mas o programa nuclear do Irão constitui o problema mais sério da situação presente.

Há um ano, a 12 de Setembro de 2006, o Papa Bento XVI visitou a sua Universidade de Ratisbona e fez uma conferência aos antigos colegas intitulada "Fé, razão e universidade: Recordações e reflexões". "Essa lição é um dos textos fundamentais do nosso tempo. Quase o primeiro que realmente entende as dimensões totais daquilo que o nosso tempo é intelectualmente" (cf. J. V. Schall, The Regensburg Lecture, St. Augustine's Press, Indiana, 2007, p. 9). Nesta abordagem sintética e brilhante feita por uma das maiores personalidades contemporâneas à nossa questão mais candente, o mote sucessivamente repetido é: "Não agir razoavelmente é contrário à natureza de Deus." Partindo deste princípio, o Papa desarma as duas maiores ameaças da actualidade.

O nosso mundo está refém de duas terríveis formas de obstinação. De um lado, a intolerância totalitária de uma fé imposta pela força; do outro a desorientação confusa de um agnosticismo arrogante. Os dois universitários que se enfrentaram em Columbia há dias representam bem essas duas posições. Perante ambos, vemos a figura serena de Bento XVI, que na sua lição de Ratisbona ilumina com sabedoria os dois erros.

Face à ameaça fundamentalista, cita o imperador bizantino Manuel II Paleólogos em 1391: "A fé nasce da alma, não do corpo. Quem quer que conduza alguém à fé precisa da habilidade de falar bem e de julgar adequadamente, sem violência ou ameaças... Para convencer uma alma razoável, não é preciso um braço poderoso, ou armas de qualquer tipo, ou qualquer outro meio de ameaçar uma pessoa de morte."

Face à desorientação da academia moderna diz: "No mundo ocidental domina largamente a opinião de que só a razão positivista e as formas de filosofia nela baseadas são válidas universalmente. Contudo, as culturas do mundo profundamente religiosas vêem esta exclusão do divino da universalidade da razão como um ataque às suas mais profundas convicções. Uma razão que é surda ao divino e que relega a religião para o âmbito das subculturas é incapaz de se inserir num diálogo de culturas."

Neste texto genial, Bento XVI traça em poucas páginas a evolução que nos trouxe ao terrível dilema actual, entre os horrores do fanatismo e do relativismo. A única salvação é aderir à razão serena e ao Deus do amor, como diz a grande maioria dos muçulmanos e americanos. Mas nesse caminho frágil não é nada bom sinal que o único destes três académicos que foi criticado brutalmente, nas ruas islâmicas e nas revistas ocidentais, tenha sido o Papa. |
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: ENTRE OS HORRORES DO FANATISMO E DO RELATIVISMO   Seg Out 08, 2007 4:00 pm

Se fosse o BUSH, contratava a MAFIA par acabar com esse ALMIJANA!!! Laughing
Voltar ao Topo Ir em baixo
 
ENTRE OS HORRORES DO FANATISMO E DO RELATIVISMO
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» O fanatismo religioso entre outros
» O Fanatismo Evangélico: Maranatas, Adventistas entre outros
» Comparação do "Pai nosso" em Lucas 11:2 entre Fiel, RC, RA e Valera Antigua
» quais sao as diferenças entre o Cristianismo e o Judeu Messianico?
» Distança entre 2 pontos

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: Europa e o Mundo-
Ir para: