InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Mari Luz Cortés - Huelva

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Fúria

avatar

Mensagens : 222
Data de inscrição : 29/11/2007

MensagemAssunto: Mari Luz Cortés - Huelva   Dom Mar 09, 2008 8:09 am

Confirmado corpo da criança Mari Luz Cortés


Testes de ADN realizados ao cadáver encontrado sexta-feira na ria de Huelva confirmaram que se trata do corpo da criança Mari Luz Cortés, desaparecida a 13 de Janeiro passado, confirmaram fontes da sub-delegação do Governo em Huelva.

Especialistas forenses recolheram mostras de ADN do corpo e dos pais da criança, poucas horas depois da descoberta, que foram posteriormente analisadas num laboratório especialista em Sevilha.

A confirmação oficial atesta a já realizada na noite de sexta-feira pelo pai de Mari Luz, Juan José Cortés, e por agentes da Guarda Civil.

Fontes da sub-delegação do governo em Huelva antecipam que os resultados da autópsia serão conhecidos até segunda-feira, cabendo ao juiz de instrução do caso, que decretou segredo de justiça, determinar que informação pode ser divulgada.

Apesar disso, alguma imprensa avança com informação sobre as circunstâncias da morte, sobre a qual foi hoje indagado Juan José López Garzon, delegado do Governo na Andaluzia.

Questionado sobre se se confirma que a criança morreu 24 ou 48 horas depois do seu desaparecimento, López Garzon recordou que o caso está em segredo de justiça, o que exige cautela, assinalando porém que esse facto "não pode ser descartado".

Explicou que o trabalho forense ficou "basicamente terminado na noite" passada, explicando que a roupa do cadáver coincide com a que Mari Luz usava na ocasião do desaparecimento e que o corpo "tinha toda a roupa vestida".

Quando se confirme se houve ou não abuso sexual, explicou, a polícia seguirá um ou outro caminho de investigação.

Mari Luz Cortés desapareceu no dia 13 de Janeiro quando saiu de casa para ir a uma loja próxima, desencadeando uma extensa operação de busca e um movimento de solidariedade alargado com a família.

Terá sido a tripulação de um navio mercante quem, na sexta-feira, avistou o cadáver a flutuar na água e avisou a Vigilância do Porto que, por sua vez, alertou a Guarda Civil do Mar, a entidade responsável pelo resgate do corpo, em avançado estado de decomposição.

O corpo foi trasladado para o instituto forense, cerca das 20:00 de sexta-feira, onde a família e autoridades se deslocaram para fazer o reconhecimento do corpo e onde, segundo as últimas informações, continuam os pais de Mari Luz.

Entretanto Huelva vive hoje o segundo de três dias de luto oficial decretado pelas autoridades locais em homenagem a Mari Luz.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Xô Esquerda

avatar

Mensagens : 703
Data de inscrição : 15/12/2007

MensagemAssunto: Re: Mari Luz Cortés - Huelva   Seg Mar 10, 2008 12:26 pm

Mari Luz: «Tempo de chorar»

2008/03/10 | 12:55

Centenas no funeral onde pais pedem «justiça para os culpados».

Resultados da segunda autópsia devem ser conhecidos hoje. Tudo indica que terá morrido por asfixia.

Menina desapareceu em Janeiro. Corpo foi encontrado sexta-feira a boiar na Ría de Huelva

Os pais de Mari Luz pediram esta segunda-feira que os culpados da morte da filha «caiam nas mãos da justiça» e que a imprensa seja «delicada» e menos persistente num momento «sério». O funeral da menina de cinco anos realizou-se ao início da tarde em Huelva, Espanha, e foi acompanhado por várias centenas de pessoas.

No final da cerimónia, o porta-voz da família disse aos jornalistas que os parentes da menina estão «destroçados» e apelou à imprensa para que seja «delicada», já que agora é «tempo de chorar e estar na intimidade».

Mari Luz: ADN confirma identidade

«O que se puder tornar público será. Pedimos que aguardem notícias em silêncio», disse Luiz Molina, acrescentando que quarta-feira a família dará uma conferência de imprensa para expressar o seu agradecimento público pelo apoio da comunicação social.

O trânsito esteve condicionado na zona do Instituto Forense de Huelva e do cemitério da cidade, onde era também visível um grande número de polícias. Entre a multidão que aguardava a saída do corpo da criança para participar no funeral, estava o presidente da câmara de Huelva, Pedro Rodríguez.

Também esta segunda deverá ser conhecido o resultado da segunda autópsia, exigida pelos pais e realizada por Luís Frontela, um especialista famoso. Cabe, no entanto, ao juiz, decidir se os resultados são divulgados publicamente ou não. Para já, tudo indica que a menina terá morrido por asfixia e que não foi vítima de agressão.

A possibilidade da menina ter sido morta nas 24 ou 48 horas a seguir ao seu desaparecimento, na tarde de 13 de Janeiro último, não é descartada pelas autoridades que tentam agora perceber o que realmente aconteceu à criança.

«Porquê?»

O porta-voz da família confessou estar cansado de tanta pressão e anunciou que vai deixar de falar em nome dos Cortez, já que o funeral marca o começo de uma «nova luta».

O cortejo fúnebre de Mari Luz partiu da casa mortuária do Instituto Forense de Huelva, onde foi rezada uma missa, em direcção ao cemitério local, situado a cerca de 500 metros. A acompanhar o cortejo estavam largas centenas de pessoas, que quiseram prestar a sua última homenagem à menina. O momento da entrada da urna no gavetão do cemitério foi marcado por muita agitação e tensão, pois todos queriam tocar no caixão branco para se despedirem.

Quando a urna foi finalmente depositada, fez-se um momento de silêncio, apenas quebrado pelos gritos da mãe, que repetia «a minha filha» e perguntava «porquê». O pessoal médico destacado para o local esteve sempre próximo da família e chegou a ter que amparar alguns parentes, visivelmente perturbados, embora ninguém tenha chegado a necessitar de assistência médica.

Recorde-se que Mari Luz Cortés desapareceu no dia 13 de Janeiro quando saiu de casa para ir a uma loja próxima, desencadeando uma extensa operação de busca e um movimento de solidariedade alargado com a família.

portugal diário
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: Mari Luz Cortés - Huelva   Qua Mar 26, 2008 4:46 am

Detidos dois suspeitos

26 de Março de 2008, 10:11


Madrid, 26 Mar (Lusa) - As autoridades espanholas detiveram hoje duas pessoas supostamente ligadas à morte da pequena Mari Luz Cortés, depois de estar 54 dias desaparecida, informou fonte policial.

As detenções, ocorridas fora da cidade de Huelva, resultaram da investigação conduzida pela Polícia Nacional desde o aparecimento do cadáver da criança no Rio de Huelva, a 07 de Março.

Os detidos seão presentes ao Tribunal de Instrução número 1 de Huelva, onde já se encontram todos os resultados das duas autópsias.

RC

Lusa/Fim
Voltar ao Topo Ir em baixo
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: Mari Luz Cortés - Huelva   Qua Mar 26, 2008 4:48 am

Detido casal suspeito da morte de Mari Luz

26 de Março de 2008, 10:13

Foram detidos ontem em Granada dois suspeitos da morte de Mari Luz, a menina espanhola que desapareceu a 13 de Janeiro e foi encontrada morta a 7 de Março. O casal é vizinho da família de Mari Luz Cortés.

Santiago G., 52 anos, terá confessado a autoria do crime. De acordo com o diário espanhol El País, o homem estava na mira da polícia desde o primeiro dia de investigações. A esposa foi também detida para interrogação, não havendo no entanto provas que a liguem ao caso.

O pai de Mari Luz, Juan José Cortés, disse ter a certeza de que o homem agora detido é o responsável pela morte da filha: «Sabemos que é ele, estamos seguros e não é uma surpresa para nós», afirmou.

O detido tem antecedentes crimianis por abusos de menores, inclusivé sobre as suas próprias filhas. Mari Luz Cortés morreu asfixiada antes de ser levada para o rio Huelva. As autópsias revelaram ainda que a menina não foi violada.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: Mari Luz Cortés - Huelva   Qua Mar 26, 2008 9:14 am

Quatro pessoas acusadas de homicídio involuntário


Aumentou para quatro o número de pessoas acusadas de homícidio involuntário no caso de Mari Luz Cortés. De acordo com o portal 20minutos.es, Santiago G., presumível autor do crime, e dois irmãos, um homem e uma mulher, estão detidos nas instalações do Corpo Nacional de Polícia de Cuenca. A mulher de Santiago continua em liberdade mas não está livre de acusações.

Santiago G., de 52 anos, confessou que a menina de cinco anos morreu acidentalmente enquanto o acompanhava. De acordo com o testemunho do detido, a menina foi com ele de livre vontade, depois de ter sido chamada, mas caiu e faleceu logo em seguida. O homem considera-se culpado pelo desaparecimento de Mari Luz Cortés mas não pela sua morte.

Os investigadores estão completamente seguros de que o Santiago G. é o responsável pela morte da menina. Segundo o portal 20minutos.es, os mesmos acreditam que a sua intenção era abusar sexualmente da criança já que este tem antecedentes criminais por abusos de menores, inclusivé sobre as suas próprias filhas de quem teve de se afastar por ordem do tribunal.

A confirmação da sua identidade foi feita após uma segunda autópsia, pedida pela família, onde foi encontrado um cabelo suspeito. No entanto, as análises da Polícia Cientifica indicam que o detido não chegou a abusar da menina e que a causa da morte foi uma paragem cardio-respiratória.

Detido casal suspeito pela morte de Mari Luz

Rita Afonso@
Voltar ao Topo Ir em baixo
Presidente da Junta
Admin
avatar

Mensagens : 944
Data de inscrição : 17/10/2007

MensagemAssunto: Re: Mari Luz Cortés - Huelva   Qui Mar 27, 2008 10:24 am

Mari Luz: confrontos em Huelva

2008/03/27 | 16:08

Última hora: à chega dos suspeitos populares exaltaram-se


Centenas de pessoas furaram a barreira policial, esta quinta-feira, em Huelva, à chegada dos suspeitos da morte de Mari Luz. A polícia foi obrigada a intervir para afastar a multidão que gritava: «assassinos!».

Segundo o relato em directo da SicNotícias, alguns repórteres de imagem ficaram feridos nos confrontos, devido ao arremesso de pedras e algumas laranjas.

A polícia no local tentou impedir o avanço dos populares, no entanto, as barreiras de segurança acabaram por ser todas derrubadas.

portugal diário
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Presidente da Junta
Admin
avatar

Mensagens : 944
Data de inscrição : 17/10/2007

MensagemAssunto: Re: Mari Luz Cortés - Huelva   Qui Mar 27, 2008 12:08 pm

É impressionante o nível de violência que se está gerar nas ruas de Huelva, junto ao tribunal, por causa dos dois suspeitos de assassínio de pequena Mari Luz.

O autor do crime está mais que condenado a morte. Nem precisa de sair da prisão. A partir de agora, não há lugar no mundo com segurança, para este indivíduo.

É tudo, uma questão de tempo. Mas ainda vai sofrer um bocado até ser morto.

A etnia cigana talvez seja a que melhor sabe corromper, dentro das prisões.
Conseguem todos os privilégios.

São boss's no meio prisional.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: Mari Luz Cortés - Huelva   Qui Mar 27, 2008 12:30 pm

Polícia de intervenção dispara para o ar e volta a carregar sobre manifestantes



** João Prudêncio, enviado da agência Lusa **

Huelva, Espanha, 27 Mar (Lusa) - A polícia de intervenção espanhola disparou para o ar e carregou pela segunda vez sobre grupos de populares que continuam concentrados junto ao tribunal de Huelva, Espanha, onde estarão a ser ouvidos os suspeitos da morte de Mari luz.

Os tumultos recomeçaram cerca das 18:30 locais (17:30 em Lisboa) quando as forças policiais que montam um cordão de segurança em torno do tribunal foram atacadas por pedras, algumas das quais chegaram a cair sobre viaturas estacionadas na avenida Sundheim, onde se localiza o Palácio de Justiça.

A polícia recorreu a disparos para o ar e perseguiu os manifestantes, maioritariamente muito jovens, que atiravam pedras e incendiaram caixotes do lixo nas imediações.

O ambiente é muito tenso, a polícia continua a ser alvo de ataques com pedras e mantêm as perseguições, enquanto se ouvem disparos na cidade.

A população em torno do tribunal grita e a polícia apela à calma com recurso a megafones.

Pelas 19:00 (18:00 em Lisboa), a polícia acabou por expulsar todos os populares que se encontravam frente ao tribunal, recorrendo a disparos para o ar.

Para além do repórter de imagem do Canal 4, atingido na cabeça por uma pedra e transportado ao hospital, uma jornalista da rádio Onda Cero, de Huelva, ficou com um ferimento ligeiro num lábio e uma jornalista da TVI foi ligeiramente ferida por uma pedra que a atingiu de raspão na cabeça.

Segundo dados da polícia de Huelva, foi enviada para o local uma unidade de anti-distúrbios de Sevilha, com 50 elementos, que estão apoiados por agentes da polícia nacional de Huelva e da polícia local.

Familiares de Mari Luz, amigos e transeuntes juntaram-se desde cedo no local, prometendo ficar ali até saber o resultado da audiência de instrução, que deverá prolongar-se por várias horas.

O principal suspeito da morte de Mari Luz, Santiago del Valle García, foi detido quarta-feira, juntamente com dois irmãos e a mulher.

O suspeito estava fugido à Justiça por crimes de abuso sexual de menores, pelos quais já tinha sido anteriormente condenado a penas de prisão, que nunca foram cumpridas, informaram hoje fontes judiciais.

Mari Luz, de cinco anos, desapareceu a 13 de Janeiro e apareceu morta no início deste mês.

Lusa/fim
Voltar ao Topo Ir em baixo
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: Mari Luz Cortés - Huelva   Sex Mar 28, 2008 10:38 am

Mulher do principal suspeito entra em hospital psiquiátrico para cumprir antiga condenação

28 de Março de 2008, 15:21


Sevilha, Espanha, 28 Mar (Lusa) - A mulher do alegado assassino de Mari Luz Cortés deu hoje entrada num hospital psiquiátrico em Sevilha para cumprir uma condenação anterior como cúmplice dos abusos sexuais que o seu marido cometia sobre a filha de cinco anos.

A mulher, I.G.R., foi inicialmente detida como cúmplice do marido no crime de Mari Luz, tendo saído em liberdade condicional neste processo, acabando depois por voltar a ser detida pela Polícia e hoje transferida para o hospital de Sevilha.

Fontes judiciais confirmaram à Agência Lusa que a mulher tinha sido condenada a 15 meses de internamento num hospital psiquiátrico, no mesmo processo do marido, Santiago de Valle Garcia, por cumplicidade nos crimes de abusos sexuais deste sobre a filha do casal, de cinco anos.

Ambos estavam considerados a monte desde Fevereiro de 2006 quando o Tribunal Penal 1 de Sevilha emitiu a ordem de prisão do Santiago de Valle Garcia e do internamento da mulher.

Dados desse processo judicial, obtidos pela Lusa, confirmam que a mulher conhecia os abusos da filha e que chegava mesmo a presenciá-los, sem nunca intervir para travar o marido.

Os documentos sustentam que apesar dos apelos da filha, que se queixava de dor, "a acusada nada fez par impedir" os abusos.

Na altura o juiz considerou que I.G.R. sofria de uma deficiência mental de 65 por cento e estava a sofrer de depressão, com uma personalidade que indiciava "paranóia", motivos que o levaram a impor a pena de internamento.

Tanto no seu caso como no do marido, as penas nunca foram executadas, razão que levou já à abertura de um inquérito ao juiz responsável.

ASP.

Lusa/Fim
Voltar ao Topo Ir em baixo
Presidente da Junta
Admin
avatar

Mensagens : 944
Data de inscrição : 17/10/2007

MensagemAssunto: Re: Mari Luz Cortés - Huelva   Sex Mar 28, 2008 2:05 pm

Santiago del Valle tinha sido condenado em 2006 a pena efectiva

Governo espanhol quer punir responsáveis por erro judicial que deixou assassino de Mari Luz Cortés em liberdade dois anos

28.03.2008 - 15h22 Lusa

A vice-presidente do Governo espanhol defendeu hoje que o peso da lei deve cair sobre os responsáveis do que aparenta ter sido um "gravíssimo, terrível e trágico erro judicial" em torno do suspeito da morte de Mari Luz.

María Teresa Fernández de la Vega comentava, assim, a polémica em torno da acção de um juiz de Sevilha que não executou uma sentença de prisão que pendia há vários anos sobre Santiago del Valle García, que está agora em prisão preventiva como suspeito da morte da criança de Huelva.

O Conselho Geral do Poder Judicial (CGPJ) abriu já uma investigação sobre a acção do juiz, Rafael Tirado Marquez, que é criticado por não ter executado a sentença de três anos e meio de cadeia imposta a Valle Garcia por abusos sexuais à sua filha de cinco anos.

Fonte judicial confirmou à Agência Lusa que em meados dos anos 90 o mesmo juiz tinha já sido alvo de um processo por atrasos na tramitação de processos, tendo na altura sido sujeito a uma multa de 300 euros por falta grave.

Críticos referem que o facto de não ter executado a pena permitiu a Valle Garcia continuar em liberdade e, como tal, ter assassinado Mari Luz.

Para a vice-presidente do Governo, deve esclarecer-se o que ocorreu e exigir responsabilidades até "ao final", reiterando o apoio do Governo ao CGPJ.

De La Vega considerou, porém, que actualmente "não é prioritário" debater propostas da oposição para endurecer penas por crimes sexuais ou medidas para evitar a reincidência de determinados delinquentes.

Aberta a todos os debates políticos, a governante insistiu que não é partidária de que, perante acontecimentos gravíssimos, se tomem de imediato decisões que tragam modificações legais.

"A primeira obrigação do Governo, o primeiro e mais importante é fazer funcionar o sistema judicial, porque não funcionou. Temos que começar a trabalhar de forma imediata para que não voltem a ocorrer falhanços", afirmou.

"O país não pode permitir estas falhas do sistema", disse, considerando que é necessário agir com eficácia e dar garantias para que possa funcionar e, depois, analisar eventuais melhorias.

Fontes do Governo explicaram hoje que o caso da morte de Mari Luz tem vindo a ser acompanhado desde o primeiro momento pelo primeiro-ministro, José Luís Rodríguez Zapatero, que tem analisado o tema com vários membros do seu Governo.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Presidente da Junta
Admin
avatar

Mensagens : 944
Data de inscrição : 17/10/2007

MensagemAssunto: Re: Mari Luz Cortés - Huelva   Ter Abr 01, 2008 3:45 am

Santiago del Valle, o predador de menores


"Ele sempre gostou de meninas", contou ao El País Catalina del Valle, irmã do homem que está preso por suspeita da morte de Mari Luz, a menina cigana de cinco anos que apareceu morta na ria de Huelva dois meses depois de ter desaparecido do bairro de El Torrejón.

Cinco anos tinha também Catalina quando Santiago del Valle cometeu abusos sexuais contra ela. O irmão agressor tinha então 13. "Quando disse à minha mãe ela não fez nada", disse Catalina ao El Mundo, mas a progenitora ficaria muito abalada ao descobrir, anos mais tarde, que Santiago cometia abusos contra a sua própria filha Nuria.

Esta nasceu em 1993, depois de a outra irmã ter morrido num estranho atropelamento, que rendeu aos pais, Santiago e Isabel, uma indemnização de 20 milhões de pesetas. Esta deu para comprar uma casa num bairro de Sevilha.

Aos cinco anos, também, Nuria começou a ser abusada pelo pai, que a tocava de noite e a obrigava a colaborar na prática de masturbação. A mãe, com um QI de 47, dizia apenas: "Não faças isso à menina."

Na tentativa de arrancar mais uma indemnização, Santiago acusou o professor de ginástica de abusos. Mas acabaria por ser desmascarado e condenado a dois anos de prisão pelo juiz Rafael Tirado Márquez - pena que nunca chegaria a cumprir.

Ficou sem a filha, em 2000, após ela ser levada para um centro de acolhimento de menores. O filho de um ano também foi retirado ao casal e, actualmente, a rapariga e o rapaz, com 14 e nove anos respectivamente, estão em famílias de acolhimento.

Ao ver-se sem Nuria, Santiago começou a procurar outras vítimas, tendo perseguido uma menina sevilhana de nove anos até à porta da casa para lhe exigir que o beijasse.

Foi ainda condenado por assediar uma menina de 13 anos, de Gijón, na região das Astúrias, com a qual chegou a trocar correspondência fazendo-se passar por uma rapariga da mesma idade. Inscreveu-se num instituto para ter aulas perto da menor, relata o Huelva Información.

A condenação não foi executada porque não se localizava Santiago. Versão que o Diario de Sevilla ontem pôs em causa ao noticiar que a polícia local de Sevilha identificou Santiago e a mulher, em 2007, numa altura em que o casal vivia numa tenda em Tamarguillo e exigia uma casa. Os dois foram depois residir na casa da outra irmã de Santiago, Rosa, que agora é suspeita de cumplicidade no rapto e morte de Mari Luz.

dn
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: Mari Luz Cortés - Huelva   Ter Abr 15, 2008 5:14 am

Vizinhos atacam irmão de principal suspeito do homicídio


Huelva, Espanha, 15 Abr (Lusa) - Dezenas de pessoas tentaram durante a madrugada de hoje atacar o irmão do principal suspeito do homicídio da menina de Huelva Mari Luz Cortés e vários membros da sua família, obrigando à intervenção de agentes policiais anti-motim.

Os confrontos começaram ao final da noite de segunda-feira quando um grupo de pessoas tentou entrar na casa de Francisco del Valle, irmão do suspeito da morte da criança, Santiago del Valle, preso preventivamente.

Francisco del Valle explicou que o grupo rebentou a porta de entrada da sua casa e tentou agredi-lo, à mulher e à sua filha.

Segundo relatou, estes foram os acontecimentos mais graves depois de semanas de tensão.

Francisco del Valle afirmou que foi despedido do trabalho depois da detenção do irmão, no final de Março, e que desde então impede muitas vezes os seus filhos de irem à escola "por medo".

A televisão espanhola transmitiu na segunda-feira declarações de vizinhos e familiares de Mari Luz, a menina de cinco anos de Huelva que foi encontrada morta depois de meses desaparecida, que ameaçaram fazer justiça pelas próprias mãos se Francisco del Valle e a família não se mudassem do bairro.

Vários vizinhos ouviram o apelo e juntaram-se atacando a casa da família, levando à intervenção de agentes de um corpo especial de polícia queestiveram toda a madrugada e manhã a guardar a entrada.

O sub-delegado do governo em Huelva, Manuel Bago, apelou já à "serenidade e responsabilidade" dos habitantes da zona, afirmando que as autoridades "não consentirão" a repetição dos incidentes da última madrugada.

Mari Luz, de cinco anos, desapareceu a 07 de Janeiro, em Huelva, e o seu corpo foi encontrado a 07 de Março a boiar no rio da cidade.

Santiago del Valle García foi detido no final de Março e confessou à polícia que atirou o corpo da criança ao rio depois de a menina ter morrido acidentalmente.

Além de Santiago Garcia e da sua irmã foram detidas mais duas pessoas (a mulher e um irmão do principal suspeito).

ASP.

Lusa/Fim
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Mari Luz Cortés - Huelva   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Mari Luz Cortés - Huelva
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» ORA0‡50ˆ9ES PODEROSAS DE MARIA PADILHA
» ORAÇÃO DA CABRA PRETA

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: Europa e o Mundo-
Ir para: