InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Médio Oriente em capítulos ... segue-se o início

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Vitor mango

avatar

Mensagens : 4711
Data de inscrição : 13/09/2007

MensagemAssunto: Médio Oriente em capítulos ... segue-se o início   Sab Out 13, 2007 4:13 pm

Primeira Edição: ......

Fonte: Problemas - Revista Mensal de Cultura Política nº 14 - Outubro de 1948 .

Transcrição e HTML: Fernando A. S. Araújo,
Julho 2007.

Direitos de Reprodução: A cópia ou distribuição deste
documento é livre e indefinidamente garantida nos termos da GNU Free
Documentation License.


A Palestina é um país agrário. É fraco seu desenvolvimento
industrial. Aproximadamente 67% de sua população (1.912.000 habitantes,
dos quais 1.143.000 Árabes e 600.000 Judeus)(1)
ocupam-se na agricultura. Entretanto, a superfície de suas terras de
cultura é muito restrita, não ultrapassando 8.000 quilômetros quadrados
numa extensão total de 26.000 quilômetros quadrados. A densidade média
da população é de 73 habitantes por quilômetros quadrado.
A quem pertencem as terras? Perto de 45% dessas terras estão
concentradas nas mãos dos senhores feudais árabes, mais de 20%
pertencem aos fundos de colonização judaicos, que os cedem em
arrendamento a longo prazo aos colonos individuais e às cooperativas
agrícolas judaicas(2); uma outra parte é controlada pelas grandes sociedades judaicas e pela comunidade religiosa muçulmana dos Vecufs.
Assim, os camponeses árabes, em sua grande massa, só dispõem de
pequenos pedaços de terra, que obtêm, por arrendamento, dos grandes
proprietários árabes os quais lhes impõem uma espécie de servidão.
Quanto aos camponeses sem terra, esses são também explorados nas
plantações da burguesia judaica.
No que se refere aos fundos de colonização judaica, a revista "Eretz
Israel" publicou índices relativos à atividade do mais importante entre
eles, o "Kerem Hassoyed", órgão financeiro da Agência Judaica(3)
que, em 24 anos de existência, recolheu 13 milhões de libras esterlinas
entre os Judeus da Europa e sobretudo da América, para a compra de
terras na Palestina. Atualmente, dos 170.000 hectares aproximadamente,
de que dispõe a população judaica na Palestina, 30% pertencem ao "Kerem
Hassoyed". E contam-se por dezenas de milhares os proprietários árabes
que perderam suas terras, devido à aquisição das mesmas pelas
sociedades de colonização judaica, ligadas ao Banco Rothschild de
Londres, assim como a outros bancos internacionais.
Além disso, graças aos créditos de que dispõem, em razão dessas
ligações, as plantações judaicas são munidas de equipamento técnico
moderno enquanto que as pequenas explorações árabes empregam, na sua
maioria, métodos primitivos de lavoura. Estas últimas cultivam
principalmente cereais, que servem para o consumo interno do país;
aquelas cultivam especialmente ameixa principal produto comercial do
país e que é exportado para os Estados Unidos.
Já vimos que é fraco o desenvolvimento industrial da Palestina. A
indústria existente é sustentada por capitais ingleses, americanos, e,
em pequena parte, judeus, investidos principalmente na produção de
potassa, de soda e de energia elétrica, assim como na transformação do
petróleo.(4)
Quanto às empresas industriais médias, essas pertencem, em grande
parte, à burguesia judaica imigrada. Graças à imigração dos operários
judeus, que se produziu principalmente durante os últimos anos, a
experiência dos métodos modernos de produção difundiu-se nessa
indústria, ao mesmo tempo em que se ampliava o mercado interno.

A Imigração Judaica

Foi no período compreendido entre as duas guerras que
se tornou mais forte a imigração judaica na Palestina. Nos vinte anos
que decorreram após a obtenção do mandato sobre a Palestina, pela
Inglaterra, de 1919 a 1939, 400.000 imigrantes judeus instalaram-se
naquele país. Foi assim que a composição da população modificou-se da
seguinte maneira no decorrer desse período: em 1919, contavam-se 65.000
judeus num total de 648.000 habitantes; em 1939, contavam-se já 446.000
judeus num total de 1.502.000 habitantes; em 1946, 600.000 em 1.800.000.
Ao mesmo tempo, aumentava consideràvelmente o afluxo dos capitais.
Em 20 anos, 575 milhões de dólares foram investidos na Palestina, dos
quais três quarta partes a favor da burguesia judaica, sendo uma parte
utilizada na compra, para os imigrantes, das terras dos "felahs",
enquanto a maior parte era investida no comércio e na indústria. Como
essa colonização das terras árabes pelos Judeus poderia ter deixado de
agravar consideràvelmente a tensão árabe-judáica? Depois da ida de Hitler
ao poder, do aguçamento da perseguição aos judeus na Alemanha e das
conseqüências da crise econômica na Europa, o número dos imigrantes
passou de 5.200 em 1929, 4.900 em 1930, 4.000 em 1931, 9.500 em 1932, a
33.300 em 1933, 42.300 em 1934 e 61.800 em 1936(5).
Nessas condições, como poderiam os Árabes deixar de temer a
possibilidade de se tornarem, um dia, minoria? Tanto mais que a
Inglaterra excitava artificialmente e explorava, para seus próprios
fins imperialistas, a discórdia árabe-judáica.continua
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Médio Oriente em capítulos ... segue-se o início
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» ESCOLA BÍBLICA - Estudos no livro de Daniel - Capítulos 3,4 e 5 - Lição 4
» ESCOLA BÍBLICA - Estudos no livro de Daniel - Capítulo 12 - O tempo do fim - Lição 10
» ESCOLA BÍBLICA - Estudos no livro de Daniel - Capítulo 10 - A batalha espiritual - Lição 8
» O que está por trás da guerra no Oriente Médio.
» Conflitos do Oriente Médio (UEL)

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: Europa e o Mundo-
Ir para: