InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 CINCO ANOS DEPOIS...Mario Soares fala about

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Vitor mango

avatar

Mensagens : 4711
Data de inscrição : 13/09/2007

MensagemAssunto: CINCO ANOS DEPOIS...Mario Soares fala about   Ter Mar 18, 2008 1:21 pm

CINCO ANOS DEPOIS...


Mário Soares





















1. O tempo passa a correr.
Voa, como se costuma dizer. Há cinco anos, contados dia por dia, a
partir de 16 de Março de 2003, um dia triste, que por sinal também foi
um domingo, realizou-se nos Açores a chamada Cimeira da Vergonha, em
que um Presidente da República, George W. Bush, então o "homem mais
poderoso da Terra", e três primeiros-ministros europeus, Tony Blair,
José Maria Aznar e José Manuel Durão Barroso, o anfitrião, decidiram,
unilateralmente, com falsos argumentos, intencionalmente forjados,
invadir o Iraque e, em consequência, destruir o precário equilíbrio e
até incendiar, em boa parte, o Próximo Oriente.

Fizeram-no, ignorando deliberadamente a ONU - e o necessário aval do
Conselho de Segurança -, desrespeitando, assim, a Carta das Nações
Unidas, a que estavam obrigados, os apelos repetidos e angustiados do
Papa, João Paulo II, e, quanto aos três europeus, dividindo,
objectivamente, a União Europeia e esquecendo-se, obviamente, de ouvir
os partidos, os parlamentos e a respectivas opiniões públicas.

Por que razão - ou razões - o fizeram? A história, nesse aspecto, está
por fazer. Mas será feita, não tenhamos dúvidas, à saciedade, sobretudo
após o fim político de Bush, sem honra nem glória, deixando atrás de si
mortes, sofrimentos, destruições, crises políticas, financeiras e
económicas... Um balanço trágico! Uma divisão de águas profundíssima na
opinião pública mundial.

Quanto aos europeus, o que os moveu foi principalmente a subserviência
perante o "patrão americano" e o deslumbramento - ou cálculo, que se
revelou falso - em relação à força militar, sem paralelo, de que Bush
se vangloriava. Mas para que lhe serviu? Que respondam os mortos, no
seu silêncio - com o rasto de memórias que deixaram, e que está a
contaminar a América - e os vivos que aí estão para contar, os crimes,
os assassínios, a tortura, as destruições, as pilhagens, os atentados
aos Direitos Humanos, que se fizeram à sombra da arrogância e da
ganância de uma falsa elite neocon,
fanática e ultra-reaccionária, que pensou dominar o mundo... Talvez um
dia - quem sabe? - o Tribunal Penal Internacional se lembre de os
julgar, pelo mal que fizeram à Humanidade.

Passaram cinco anos que mudaram o mundo, para muito pior. Anos duros,
sombrios, sem perspectiva. Em que os grandes valores pareciam soçobrar.
Sobretudo no Ocidente, que perdeu prestígio, poder e a imagem de um
humanismo universalista que antes o caracterizava. Mas há já reacções
anunciadas, que se esboçam. E que implicam, necessariamente, rupturas.
O mundo não pára. Haverá reformas profundas - esperemos - para evitar
revoltas incontroláveis e anárquicas, que as pessoas comuns reclamam e
têm razões em reclamar. Não é possível calar a voz dos povos
desesperados, onde as liberdades e os Direitos Humanos sejam
respeitados!

2. Elvas.
Uma cidade raiana, com Badajoz à vista, em franco progresso, inaugurou,
no passado sábado, dia 15, o seu Museu de Arte Contemporânea, com a
presença do novo ministro da Cultura, José António Pinto Ribeiro. As
instalações são magníficas, reconstruídas como foram, com inteligência
e gosto, num velho palácio, sem o alterar no fundamental.

A exposição inaugural, organizada pelo professor e organizador de eventos culturais João Pinharanda, teve como tema principal A Defesa e o Ataque.
Entre esculturas e telas, destacam-se onze belíssimas e enormes
fotografias, a cores, feitas por Augusto Alves da Silva, sobre a
paisagem idílica da base das Lajes (Açores), no dia 16 de Março de 2003
entre as 07.00 e as 19.00. As imagens documentam a descida dos aviões
de Bush, Blair e Aznar, aonde foram ao encontro de Durão Barroso, para
assistirem à Cimeira dos Açores.

A paisagem açoriana, com o largo oceano ao fundo e o silêncio e a paz
que se adivinha do verde que envolve o aeroporto, forma um imenso
contraste com os horrores que se discutiram e preparavam, à porta
fechada, para uma guerra que ia começar, que ainda não acabou e que
marcaria tão negativamente - como os atentados de 11 de Setembro - o
início do século em que vivemos...

3. A Duquesa Vermelha.
Como alguns semanários portugueses noticiaram, morreu, na passada
sexta-feira, no seu castelo de Sanlúcar de Barrameda, na foz do rio
Guadalquibir, Luísa Isabel Alvarez de Toledo y Maura, duquesa de Medina
Sidónia e marquesa de Villafranca, uma dos "grandes" de Espanha.

Era uma personalidade muito singular. Tendo nascido no Estoril, em 1936
- no ano fatal do golpe clerical-franquista contra a II República
Espanhola, que se transformaria em cruenta guerra civil (1936-39) -
numa família da mais alta aristocracia, aliás muito ligada a Portugal
(Luísa de Gusmão, mulher de D. João IV, pertencia à linhagem dos Medina
Sidónia), tornou-se em adulta republicana e anarquista, depois de um
casamento infeliz, que desfez, assim que lhe foi possível.

Pela parte da mãe era neta de António Maura, outro "grande" de Espanha,
que foi ministro da República e avô em linha recta do intelectual e
escritor espanhol Jorge Semprun, ministro da Cultura de um dos governos
de Felipe Gonzalez. Conheci a duquesa de Medina Sidónia, quando se
encontrava exilada em Paris, depois de ter estado presa nos cárceres
franquistas, para evitar novas prisões. O Maio de 68 ainda estava
próximo e o ar que se respirava em Paris, em pleno gaullismo, era de
grande liberdade e não só política.

Lembro-me que a conheci num jantar do Centro Republicano de Paris, em
homenagem ao político catalão Companys, fuzilado pelos franquistas,
onde se encontrava também a sua viúva. Nos arquivos da Fundação Mário
Soares deve ainda haver uma fotografia desse evento onde eu figuro,
sentado ao lado da Duquesa Vermelha. Falámos muito nessa noite.
Naturalmente de Espanha, de Portugal e das respectivas libertações.
Conspirámos um pouco. E ficámos amigos. Vimo-nos ainda algumas vezes em
Paris. Depois da Revolução dos Cravos, visitou--me em Lisboa, não sem
reconhecer que, finalmente, Portugal se tinha libertado da ditadura
primeiro do que Espanha!

Mas a transição espanhola veio logo em 1976-78. A duquesa de Medina
Sidónia regressou a Espanha, entretanto. Filiou-se no PSOE. Participou
em manifestações. Distribuiu terras suas às cooperativas de camponeses
da Andaluzia. E, sobretudo, zangou-se com muita gente, porque era de
feitio conflituoso, frontal, dizia o que pensava, sem papas na língua,
e era muito senhora do seu nariz.

Cansada da política, refugiou-se no seu castelo de Sanlúcar de
Barrameda e meteu-se, furiosamente, a organizar o seu valiosíssimo
arquivo histórico, com a colaboração da sua inseparável amiga alemã,
Liliana, com quem vivia em união de facto, perfeitamente assumida. A
última das suas originalidades consistiu em casar in articulo mortis, coerentemente, com a sua amiga Liliana, a quem deixou os seus bens.

Um dia, era eu Presidente, telefonou-me para Belém. Disse-me que se
tinha zangado com o reitor da Universidade Complutense de Madrid, que,
aliás, era um homem consensual e pacífico, que conheci bem. Queria
estabelecer um contacto com a Universidade de Coimbra, cujo prestígio
conhecia desde sempre. Pediu-me, numa palavra, para fazer o contacto.

Assim fiz. Contactei o meu amigo, reitor de Coimbra, Rui Alarcão, e
disse-lhe do que se tratava. Ele ficou francamente interessado. E daí,
partimos os dois, de automóvel, para Sanlúcar de Barrameda, onde
passámos uma noite e jantámos com a Duquesa e a sua inseparável amiga e
conversámos longamente. Uma noite divertida e encantadora.


Acho que o acordo não chegou a concretizar-se. Infelizmente. Não sei
bem porquê. Mas dessa noite - e da nossa conversa - ficou-me uma
recordação indelével. Lembro-me que referiu e mostrou um velho
relatório que encontrou nos seus arquivos, de um espião de Felipe II de
Espanha, que assistira à batalha de Alcácer-Quibir e que assinalava ao
Rei que D. Sebastião não tinha morrido e fugira. Lembrei-me de um
grande romance de Aquilino Ribeiro - de pura ficção, Aventura Maravilhosa ,
que narra a fuga de D. Sebastião, depois da batalha, até chegar, após
imensas peripécias, ao Escorial, para reclamar o trono ao seu tio
Felipe II. Que o reconheceu e o mandou matar.

Será que os sebastianistas teriam alguma razão ao afirmar, naqueles
tempos, que D. Sebastião não morrera em Alcácer-Quibir?! Eis um enigma
que alimenta há séculos a nossa História e a imaginação de muitos
portugueses.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: CINCO ANOS DEPOIS...Mario Soares fala about   Ter Mar 18, 2008 6:11 pm

o mario esta SENILIZADO, FAZ 5 ANOS EXACTAMENTE!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Vitor mango

avatar

Mensagens : 4711
Data de inscrição : 13/09/2007

MensagemAssunto: Re: CINCO ANOS DEPOIS...Mario Soares fala about   Qua Mar 19, 2008 8:56 am

AMERICANO escreveu:
o mario esta SENILIZADO, FAZ 5 ANOS EXACTAMENTE!!

Tomaria eu chegar á idade dele com metade do SENIL
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: CINCO ANOS DEPOIS...Mario Soares fala about   Qua Mar 19, 2008 10:07 am

TOMARA EU CHEGAR A IDADE DELE E TER METADE DO DINHEIRO DEKLE E TER VIAJADO 1/10 DO QUE ELE VIAJOU A CONTA DO POVO!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Vitor mango

avatar

Mensagens : 4711
Data de inscrição : 13/09/2007

MensagemAssunto: Re: CINCO ANOS DEPOIS...Mario Soares fala about   Qua Mar 19, 2008 12:25 pm

RONALDO ALMEIDA escreveu:
TOMARA EU CHEGAR A IDADE DELE E TER METADE DO DINHEIRO DEKLE E TER VIAJADO 1/10 DO QUE ELE VIAJOU A CONTA DO POVO!!


Também !
Por acaso almocei com ele no Brasil mas paguei a " Honra " de jantar com o PR Portuguesa
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: CINCO ANOS DEPOIS...Mario Soares fala about   Qua Mar 19, 2008 1:12 pm

O PRESIDENTE CAVACO pode SEMPRE que quiser visitar a MANSAO de ORLANDO ou BRASIL!!! E um HOMEM DECENTE, SIMPLES!!! Que veio do POVO!!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
mike

avatar

Mensagens : 283
Data de inscrição : 16/03/2008

MensagemAssunto: Re: CINCO ANOS DEPOIS...Mario Soares fala about   Qua Mar 19, 2008 2:10 pm

RONALDO ALMEIDA escreveu:
O PRESIDENTE CAVACO pode SEMPRE que quiser visitar a MANSAO de ORLANDO ou BRASIL!!! E um HOMEM DECENTE, SIMPLES!!! Que veio do POVO!!!


Fique descansado, Ronaldo, que eu farei chegar a sua mensagem, ao Senhor Presidente da República, por interposta pessoa.

Um dos assessores do Senhor Presidente, e que por isso, pertence à Casa Civil da Presidência é uma pessoa minha amiga.


Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Vitor mango

avatar

Mensagens : 4711
Data de inscrição : 13/09/2007

MensagemAssunto: Re: CINCO ANOS DEPOIS...Mario Soares fala about   Qua Mar 19, 2008 2:39 pm

RONALDO ALMEIDA escreveu:
O PRESIDENTE CAVACO pode SEMPRE que quiser visitar a MANSAO de ORLANDO ou BRASIL!!! E um HOMEM DECENTE, SIMPLES!!! Que veio do POVO!!!

Meu caro
O irmao ficou umA SEMANA ca no placio mais a familia
É engenheiro das electricidades ...e nessa noite houve uma tempestade e ...
a Luz FOICE
e ... com a ajuda dele
A avaria
FOICE
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: CINCO ANOS DEPOIS...Mario Soares fala about   Qua Mar 19, 2008 6:31 pm

mike escreveu:
RONALDO ALMEIDA escreveu:
O PRESIDENTE CAVACO pode SEMPRE que quiser visitar a MANSAO de ORLANDO ou BRASIL!!! E um HOMEM DECENTE, SIMPLES!!! Que veio do POVO!!!


Fique descansado, Ronaldo, que eu farei chegar a sua mensagem, ao Senhor Presidente da República, por interposta pessoa.

Um dos assessores do Senhor Presidente, e que por isso, pertence à Casa Civil da Presidência é uma pessoa minha amiga.



Muito OBRIGADO, MIKE, mas tanbem tenho maneira de chegar a ele!!!Temos amigos comuns!!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Vitor mango

avatar

Mensagens : 4711
Data de inscrição : 13/09/2007

MensagemAssunto: Re: CINCO ANOS DEPOIS...Mario Soares fala about   Sab Mar 22, 2008 3:00 am

Vitor mango escreveu:
RONALDO ALMEIDA escreveu:
TOMARA EU CHEGAR A IDADE DELE E TER METADE DO DINHEIRO DEKLE E TER VIAJADO 1/10 DO QUE ELE VIAJOU A CONTA DO POVO!!


Também !
Por acaso almocei com ele no Brasil mas paguei a " Honra " de jantar com o PR Portuguesa

Por acaso levava uma assessora de uma alta individualidade do Brasil
Mas
Tambem paguei a Honra da Senhora

Very Happy Very Happy Very Happy Very Happy
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: CINCO ANOS DEPOIS...Mario Soares fala about   Sab Mar 22, 2008 10:16 am

Vitor mango escreveu:
Vitor mango escreveu:
RONALDO ALMEIDA escreveu:
TOMARA EU CHEGAR A IDADE DELE E TER METADE DO DINHEIRO DEKLE E TER VIAJADO 1/10 DO QUE ELE VIAJOU A CONTA DO POVO!!


Também !
Por acaso almocei com ele no Brasil mas paguei a " Honra " de jantar com o PR Portuguesa

Por acaso levava uma assessora de uma alta individualidade do Brasil
Mas
Tambem paguei a Honra da Senhora

Very Happy Very Happy Very Happy Very Happy

Meu caro, ESSE SR. MARIO SOARES, PARA ALMOCAR com o RON, teria que PAGAR A CONTA!!! Wink
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: CINCO ANOS DEPOIS...Mario Soares fala about   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
CINCO ANOS DEPOIS...Mario Soares fala about
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Ex-crente que virou ateu debocha das línguas estranhas em entrevista a Jô Soares
» Depois de mil anos no céu voltaremos para a Terra?
» A ressurreição dos Justos será antes ou depois do milênio ?
» Menina de 18 anos se prepara para casar com seu próprio pai depois de perder a virgindade com ele
» Falta 228 anos para o mundo acabar

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: História & Tradição-
Ir para: