InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Angola elege Miss Sobrevivente de Minas

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
mike

avatar

Mensagens : 283
Data de inscrição : 16/03/2008

MensagemAssunto: Angola elege Miss Sobrevivente de Minas   Sex Abr 04, 2008 4:47 am

Angola elege Miss Sobrevivente de Minas

Candidatas lutam contra a discriminação e por um futuro melhor

Maria Teresa Jacob, 18 anos, Margarida José, 32, Albertina Rosa, 37, têm em comum a nacionalidade angolana, serem mulheres e um passado onde uma mina lhes amputou o corpo e condicionou a vida para sempre.

Para o futuro contam com a condição de «Miss Sobrevivente de Minas» como instrumento para melhorar a vida, abandonar a ideia de serem meras sobreviventes e lutar contra a discriminação, que, como contou Maria Teresa à Agência Lusa, a miss de Benguela, «muitas vezes é mais fatal» do que os engenhos explosivos.

Luta contra a discriminação

É já na quarta-feira, no Hotel Trópico, de Luanda, local onde muitos dos dirigentes mundiais que visitam Angola pernoitam, que as 18 «misses», uma por cada província angolana, esperam poder convencer o «mundo possível» - esta expressão é de Margarida José - a apoiar todos aqueles que lutam «mais contra a discriminação» do que contra «o azar» de terem visto a vida «decepada» por um inimigo «traiçoeiro e invisível».

O momento é quando as 18 mulheres subirem ao palco mostrando o «glamour» que as escondidas minas terrestres «não conseguiram apagar», como lembrou Maria Teresa Jacob. Aos 18 anos, a estudar na 10ª classe, vê, assim, «cumprir um sonho que não sabia que tinha», o de se passear num concurso de beleza, mesmo quando falava «com as amigas de beleza e moda», uma «paixão antiga».

O inimigo «traiçoeiro e invisível» apareceu no caminho de Maria Teresa quando tinha sete anos, em Kalekembe, Huila, durante um passeio com a sua avó. Ficou sem uma perna, mas não deixou de «caminhar» para «ir construindo a vida», mesmo que «tenha sido muito difícil manter a escola».

O grande problema de Maria Teresa é poder sustentar a sua ambição de continuar a estudar e lança para a conversa com a Lusa «a maka (problema) do dinheiro», porque é disso que se trata, quando não existem outros apoios, para poder «ir fazendo» o tal caminho.

Maria Teresa é, apesar de tudo, uma privilegiada, tendo em conta que das 18 «misses» é a única que conseguiu chegar «longe» na escola.

«É muito triste reparar que muitas destas pessoas» - apontando para as outras 17 concorrentes - «nem sequer foram à escola ou então não passaram da segunda classe por causa disto». E «isto» são as pernas e os corpos amputados.

O prémio para a candidata que ganhar o concurso Miss Sobrevivente de Minas é uma moderna prótese.

Angola é o país africano com mais minas

Apesar de todos os esforços do programa de desminagem, as Nações Unidas alertam para a existência de dezenas de milhares de minas que permanecem espalhadas pelo território de Angola, considerado o país com mais campos minados de todo o continente africano.

Segundo dados do último relatório sobre as minas em Angola, da Electronic Mine Information Network (uma rede de informação sobre minas), mais de dois milhões de pessoas foram afectadas por explosões de engenhos explosivos no país.

Por ano, entre 300 e 400 pessoas morrem ou perdem membros do corpo em Angola.

PD
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
mike

avatar

Mensagens : 283
Data de inscrição : 16/03/2008

MensagemAssunto: Minas: erradicação custa 7,5 milhões de euros   Sex Abr 04, 2008 5:03 am

Minas: erradicação custa 7,5 milhões de euros

Nações Unidas fizeram as contas em Angola, Moçambique e Guiné-Bissau

As Nações Unidas avaliam em 11,8 milhões de dólares (7,5 milhões de euros) a verba necessária este ano para os trabalhos de erradicação das minas terrestres nos três países lusófonos ainda afectados - Angola, Guiné-Bissau e Moçambique.

Os casos mais complicados, segundo o último relatório do Serviço das Nações Unidas para Acção contra as Minas, registam-se em províncias angolanas como o Cuando-Cubango, onde cerca de 400 mil pessoas vivem em zonas afectadas, e Moxico, onde se registam mais acidentes do género em Angola, um dos países em destaque nos eventos que assinalam hoje o Dia Internacional de Sensibilização para o Perigo das Minas e Assistência à Acção Antiminas.

«Angola é considerado um dos países mais minados de África, resultado de 30 anos de guerra civil», que terminou apenas há seis anos, refere o relatório divulgado no final de 2007, que estima em 8,36 milhões de dólares o envelope necessário ao financiamento dos trabalhos.

Só neste país, foram identificadas quase duas mil comunidades, em 18 províncias de Cabinda a Luanda e ao Namibe, afectadas pelo problema das minas.

O número de vítimas situa-se entre 300 e 400 anualmente, cerca de cinco por cento o total mundial (6.000) no ano passado.

Na Guiné-Bissau, as origens do problema confundem-se com as da Guerra Colonial (1963), e este foi agravado pela guerra civil (1998-1999) e pelo conflito de Casamança, no sul do Senegal, com a agravante da maior contaminação de solos se registar em áreas agrícolas.

«Cerca de 480 mil metros quadrados de terras foram limpos até Julho de 2007, sobretudo para uso agrícola, mas também para fins residenciais», refere o relatório das Nações Unidas.

Na Guiné, a verba necessária para os projectos de desminagem é estimada em 2,4 milhões de dólares, mais do dobro do orçado para Moçambique (um milhão de dólares), onde os progressos são mais considerados significativos.

Nos últimos três anos, um programa em que participou a ONG britânica HALO Trust (MIFD) permitiu «a limpeza de todas as áreas minadas conhecidas nas quatro províncias do norte», cerca de 51 por cento do território moçambicano.

Em 2006 registaram-se 18 acidentes com minas e outro tipo de engenhos explosivos em Moçambique, que causaram 35 vítimas, das quais 19 mortais - 8 homens, uma mulher e dez crianças.

«Os resultados preliminares indicam uma redução significativa da área contaminada relativamente aos 160 quilómetros quadrados registados em 2006», para perto de 40 quilómetros quadrados, «um número que se espera que continue a recuar» até que esteja completo o trabalho de avaliação em curso, refere o relatório das Nações Unidas.

De 26 mil em 1997, o número de vítimas de acidentes do género caiu para 6 mil, segundo os últimos dados das Nações Unidas - uma redução de 75 por cento.

Ainda assim, os trabalhos em curso em todo o mundo implicam um esforço financeiro de cerca de 400 milhões de dólares, segundo as Nações Unidas.

Para sensibilizar a opinião pública mundial, o Dia Internacional do tema é assinalado em pelo menos 15 países.

Em Nova Iorque, Estados Unidos, será inaugurada a exposição de fotografias «Sobreviver à Paz e ao Terror em Grande Escala», sobre os efeitos das minas terrestres e engenhos explosivos de guerra nas populações do Afeganistão, Angola, República Democrática do Congo, Líbano e Sudão.

PD
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Fúria

avatar

Mensagens : 222
Data de inscrição : 29/11/2007

MensagemAssunto: Re: Angola elege Miss Sobrevivente de Minas   Sex Abr 04, 2008 7:32 am

mike escreveu:
Angola elege Miss Sobrevivente de Minas

Candidatas lutam contra a discriminação e por um futuro melhor

Maria Teresa Jacob, 18 anos, Margarida José, 32, Albertina Rosa, 37, têm em comum a nacionalidade angolana, serem mulheres e um passado onde uma mina lhes amputou o corpo e condicionou a vida para sempre.

Para o futuro contam com a condição de «Miss Sobrevivente de Minas» como instrumento para melhorar a vida, abandonar a ideia de serem meras sobreviventes e lutar contra a discriminação, que, como contou Maria Teresa à Agência Lusa, a miss de Benguela, «muitas vezes é mais fatal» do que os engenhos explosivos.

Luta contra a discriminação

É já na quarta-feira, no Hotel Trópico, de Luanda, local onde muitos dos dirigentes mundiais que visitam Angola pernoitam, que as 18 «misses», uma por cada província angolana, esperam poder convencer o «mundo possível» - esta expressão é de Margarida José - a apoiar todos aqueles que lutam «mais contra a discriminação» do que contra «o azar» de terem visto a vida «decepada» por um inimigo «traiçoeiro e invisível».

O momento é quando as 18 mulheres subirem ao palco mostrando o «glamour» que as escondidas minas terrestres «não conseguiram apagar», como lembrou Maria Teresa Jacob. Aos 18 anos, a estudar na 10ª classe, vê, assim, «cumprir um sonho que não sabia que tinha», o de se passear num concurso de beleza, mesmo quando falava «com as amigas de beleza e moda», uma «paixão antiga».

O inimigo «traiçoeiro e invisível» apareceu no caminho de Maria Teresa quando tinha sete anos, em Kalekembe, Huila, durante um passeio com a sua avó. Ficou sem uma perna, mas não deixou de «caminhar» para «ir construindo a vida», mesmo que «tenha sido muito difícil manter a escola».

O grande problema de Maria Teresa é poder sustentar a sua ambição de continuar a estudar e lança para a conversa com a Lusa «a maka (problema) do dinheiro», porque é disso que se trata, quando não existem outros apoios, para poder «ir fazendo» o tal caminho.

Maria Teresa é, apesar de tudo, uma privilegiada, tendo em conta que das 18 «misses» é a única que conseguiu chegar «longe» na escola.

«É muito triste reparar que muitas destas pessoas» - apontando para as outras 17 concorrentes - «nem sequer foram à escola ou então não passaram da segunda classe por causa disto». E «isto» são as pernas e os corpos amputados.

O prémio para a candidata que ganhar o concurso Miss Sobrevivente de Minas é uma moderna prótese.

Angola é o país africano com mais minas

Apesar de todos os esforços do programa de desminagem, as Nações Unidas alertam para a existência de dezenas de milhares de minas que permanecem espalhadas pelo território de Angola, considerado o país com mais campos minados de todo o continente africano.

Segundo dados do último relatório sobre as minas em Angola, da Electronic Mine Information Network (uma rede de informação sobre minas), mais de dois milhões de pessoas foram afectadas por explosões de engenhos explosivos no país.

Por ano, entre 300 e 400 pessoas morrem ou perdem membros do corpo em Angola.

PD

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
mike

avatar

Mensagens : 283
Data de inscrição : 16/03/2008

MensagemAssunto: Re: Angola elege Miss Sobrevivente de Minas   Sex Abr 04, 2008 9:22 am

thanks, "My" Love........ I love you I love you I love you
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Fúria

avatar

Mensagens : 222
Data de inscrição : 29/11/2007

MensagemAssunto: Re: Angola elege Miss Sobrevivente de Minas   Sex Abr 04, 2008 9:26 am

bounce bounce bounce I love you I love you I love you I love you sunny
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: Angola elege Miss Sobrevivente de Minas   Sex Abr 04, 2008 1:46 pm

AGRADECAM A MARIO SOARES E ALVARO CUNHAL!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Presidente da Junta
Admin
avatar

Mensagens : 944
Data de inscrição : 17/10/2007

MensagemAssunto: Re: Angola elege Miss Sobrevivente de Minas   Sab Abr 05, 2008 10:41 am

Retratos de Angola em 2005 - clique


Por Gonçalo Rosa da Silva
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Angola elege Miss Sobrevivente de Minas   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Angola elege Miss Sobrevivente de Minas
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Puc minas 2010
» Triângulos (PUC-Minas)
» (PUC Minas) Força magnética
» (PUC Minas) Um alqueno que possui massa 56 g/
» (PUC Minas) Na figura, os triângulos retângul

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: Europa e o Mundo-
Ir para: