InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 ONU

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Presidente da Junta
Admin
avatar

Mensagens : 944
Data de inscrição : 17/10/2007

MensagemAssunto: ONU   Ter Abr 15, 2008 10:30 am

study


Adriano Moreira
professor universitário




O FOSSO CONSIDERÁVEL

O actual secretário-geral da ONU, o diplomata Ban Ki-moon, em pouco alterou as perspectivas assumidas e as urgências proclamadas pelo seu notável antecessor.

Talvez porque, se os conflitos se agravarem, os agentes e vítimas não mudaram sensivelmente. Se algum novo alarme se encontra na intervenção do secretário, é a afirmação de que existe um "fosso considerável" entre a retórica que rodeia a prevenção e o emprego de medidas para o efeito, concluindo que o "principal desafio para a comunidade internacional continua a ser a elaboração de estratégias mais eficazes para prevenir conflitos".

Infelizmente, a prudente insistência apenas na necessidade de melhorar a organização, sem claramente enfrentar o facto de que, sem melhoria considerável da compreensão e relação dos governos com os interesses gerais da humanidade, não haverá melhoria possível da ONU, tudo contribui para que seja a confiança, de que esta necessita, o valor progressivamente em deterioração.

Reconhecer que, especialmente em África, o custo dos conflitos armados é igual ou superior ao montante da ajuda internacional que recebe não pode ser separado da condenação do desenfreado comércio de armas que são fornecidas por economias avançadas.

Economias cujos governos estão representados na ONU, recebem os relatórios, mas não mostram que decidam contribuir para a melhorar a ONU refreando decisivamente as exportações.

Entretanto, o acordo político indispensável, para designadamente pôr termo ao conflito no Médio Oriente, não o consegue a ONU sem o acordo dos Estados responsáveis pelas políticas que o sustentam.

É evidente que a reforma do sector da segurança depende das vontades dos Estados, e sem acordo destes não haverá intervenção da ONU eficaz.

O Relatório sobre Security Peace and Development: The role of the United Nations, supporting security sector reforme traz essa conclusão, sem negar a sua própria experiência, que é a de que a primeira exigência se refere à de- cisão dos Estados, mais a dificuldade de lidar com aqueles que são poderes atípicos.

No caso do Kosovo nada adiantou que a Inglaterra admitisse que a solução exigia o consentimento da Sérvia e o consenso do Conselho de Segurança, porque a perigosíssima independência unilateral aconteceu enquanto os EUA e a Rússia se mantinham irredutíveis e longe de qualquer acordo.

A impossibilidade de chegar a bom termo no Darfur continua a ser notícia, a Agência Internacional da Energia Atómica não consegue sequer uma opinião segura e definitiva sobre o programa nuclear do Irão, os distúrbios no Quénia são levados com alarme ao Conselho de Segurança sem retorno apreciável, em Gaza e na Cisjordânia agravam-se constantemente as condições humanitárias em termos de serem consideradas "uma afronta à dignidade das pessoas que ali habitam", a Somália tende para o esquecimento da urgência ali instalada pelos conflitos, e o Iraque continua a ser invocado, na liturgia de despedida do responsável pela intervenção, como um êxito recomendado aos futuros historiadores.

A desordem mundial não pode dispensar a ONU como lugar onde pelo menos todos falam com todos, porque o diálogo é o primeiro elo de um projecto de paz, e a sua ruptura é também o primeiro passo para o conflito.

Mas este diálogo teimosamente inconclusivo contribui muito mais para a criação de um mundo virtual que rodeia de ignorância o acesso da opinião mundial à realidade, do que para adiantar os pressupostos do desenvolvimento sustentado. E também, por isso, para colocar na imagem da ONU o ferrete da ineficácia, como entidade cujo exercício é visto independente da vontade dos Estados membros.

É excelente que os gestores da ONU insistam em celebrar o 60.º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos, sobretudo sendo para evidenciar que os Estados não fazem o suficiente para traduzir em acções solidárias aquilo que então proclamaram.|

Diário de Notícias
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: ONU   Ter Abr 15, 2008 11:22 am

A ONU nao serve para NADA . E isso ja foi COMPROVADO!!! Por mim fechava as portas HOJE!!!!!!!!!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
 
ONU
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: Europa e o Mundo-
Ir para: