InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Quando os romanos se instalaram na Península

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Presidente da Junta
Admin
avatar

Mensagens : 944
Data de inscrição : 17/10/2007

MensagemAssunto: Quando os romanos se instalaram na Península   Qui Abr 17, 2008 5:34 am

I Curso Livre sobre História Militar


Qual a receita do êxito dos romanos, que superaram os herdeiros de Alexandre, o Grande?
Segundo um historiador grego, o segredo estava na organização militar, que, nas suas deslocações, usavam uma estrutura eficaz: os acampamentos. Ainda há vestígios, no território português.


Nair Alexandra

Decorriam os anos vinte do século passado e Alfonso XIII, de Espanha, visitava as escavações do sítio arqueológico de Numância, situado na actual Soria, cidade espanhola junto ao rio Douro. O rei avistou um cerro vizinho e perguntou aos arqueólogos o que era aquilo. Resposta: "Ah, isso é um acampamento romano, mas é uma coisa que só interessa aos alemães!".

Carlos Fabião, arqueólogo e professor universitário, relatou esta pequena história na segunda aula do Curso de História Militar, a decorrer na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Foi durante a sua conferência, "Os Acampamentos Romanos", e utilizou o relato para exemplificar como durante muito tempo historiadores e arqueólogos da Península Ibérica deram pouca importância ao tema. A historiografia dos dois países, influenciada por um espírito nacionalista, concentrava as suas atenções na resistência dos povos indígenas e dos símbolos de resistência ao invasor. Numância foi um deles: o último cerco da antiga cidade começou em 134 antes de Cristo, até que, no ano seguinte, esta seria destruída pelas tropas romanas sob o domínio de Cipião, mas não sem uma resistência dura aos ocupantes. A partir do início do século XX começaram as escavações regulares em Numância, marco importante do domínio de Roma na Península Ibérica. Entretanto, o arqueólogo alemão Adolf Schulten viria a ser um dos grandes impulsionadores da investigação dos acampamentos militares romanos no actual território espanhol, seguindo as pisadas da escola alemã - na Europa central estavam as fronteiras orientais europeias do império.

Importantes os acampamentos romanos? Essenciais. Políbio, historiador grego do século II antes de Cristo, procurou respostas à questão sobre como é que Roma acabaria por vencer a civilização helénica, herdeira de Alexandre Magno. A resposta, encontrou-a ele na organização militar. O êxito das campanhas romanas devia-se ao facto de estes exércitos, nas suas deslocações, utilizarem a estrutura simples dos acampamentos, frequentemente rectangulares ou quadrangulares, onde a construção de fossos era conjugada por muralhas de terra reforçadas por madeira. Muitos dos que viriam a ser escavados nas épocas recentes estavam longe do modelo racional explicado por Plínio e da sua organização exemplar. Alguns relatos definem, mesmo, a campanha de moralização levada a cabo pelo general romano aquando do cerco de Numância: entre outras medidas, foi necessário expulsar do acampamento prostitutas e prostitutos, magos, adivinhos, escravos pessoais, os últimos com argumentos como este: só as bestas precisavam de ser lavadas por outros...

Em Espanha, recentemente, o estudo dos acampamentos romanos conheceu um forte desenvolvimento, muito menor em Portugal. Mesmo assim alguns sítios arqueológicos foram associados a acampamentos romanos: Chões de Alpompé (concelho de Santarém); Lomba do Canho (Arganil), Cáceres el Viejo (Cáceres, Espanha), o Alto do Castelo(Alpiarça), Mata-Filhos (Mértola) ou a famosa "Cava de Viriato", em Viseu. Contudo, a sua forma de octógono, típica de estruturas muçulmanas, e outras indicações (como fontes literárias), levaria, posteriormente, alguns estudiosos a situarem ali o acampamento do célebre Almansor, que, em pleno domínio islâmico, terá concentrado o seu exército na actual Viseu para daí organizar o saque a Santiago de Compostela. Quando, em 1988, o especialista Vasco Mantas apresentou esta tese, em Viseu, o anúncio teve foros de escândalo: a "Cava de Viriato" um acampamento islâmico?!? Mais recentemente crê-se que ali houve, de facto, uma estrutura romana, reutilizada, séculos depois, por tropas muçulmanas.

Carlos Fabião referiu, ainda, o Castelo da Lousa (Mourão), outrora situado junto às margens do Guadiana e investigado por arqueólogos antes de ser submerso na sequência da construção da Barragem do Alqueva. Esta construção em xisto terá sido erguida no século I, sob o imperador Augusto. Poderia estar ligada à existência de jazidas mineiras ou a colónias ligadas ao exército. Aqui (à semelhança de outras estruturas), foram encontrados diversos materiais, como cerâmicas. É que as movimentações militares constituíam, entretanto, um formidável investimento na deslocação e comercialização de bens de consumo. Em Roma, como hoje (com as devidas distâncias) no Iraque.

Expresso
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Quando os romanos se instalaram na Península
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Romanos 8.3 indica que Jesus era apenas semelhante aos homens?
» LUZ no segundo dia da criação? Antes do quarto dia quando o SOL foi criado? Como explicar?
» Romanos 3:31 : Como a Graça Estabelece a Lei?
» QUANDO foi criado o HOMEM? - em Gen. 1:27 ou Gen. 2:7?
» MHS - elongação quando Ec = 2Epe

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: História & Tradição-
Ir para: