InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Musil - O homem sem qualidades I e II

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Cogito, ergo sun



Mensagens : 761
Data de inscrição : 09/04/2008
Idade : 97

MensagemAssunto: Musil - O homem sem qualidades I e II   Seg Abr 21, 2008 5:39 am

O lugar do pensamento



Esta é, desde já, uma das edições mais importantes entre todas as que ocorrerão em Portugal no decurso deste ano. Os dois volumes que a Dom Quixote acaba de fazer chegar às livrarias constituem, no nosso país, a primeira versão completa, traduzida directamente do alemão, do incompleto romance musiliano. João Barrento, o responsável pela presente versão de Der Mann ohne Eigenschaften, referiu ter andado três anos à volta do texto, o que até nem é muito, sobretudo se tivermos em conta que, para o autor, o romance ocupou bem mais de dez; começou a ser publicado em 1930 e representou um projecto em trabalho permanente até à morte de Musil, em 1942.
Lembro­‑me bem da leitura que dele fiz em meados dos anos noventa, utilizando a versão da Livros do Brasil, agora tão denegrida, mas que serviu a muitos leitores para descobrirem Musil em português. Recordo ainda melhor a releitura que fiz de várias cenas, em diversas ocasiões, por vezes ao acaso, outras vezes a propósito de algum ensaio que então iria escrever, e de me parecer que o texto se tornava ainda mais claro e lapidar nesses momentos. A importância de O Homem sem Qualidades para uma modernidade literária marcada pelo questionamento e mesmo pela sabotagem da organização que poderíamos chamar clássica da linguagem não parece tão visível como no caso de outros romances (como Ulysses, por exemplo), mas a verdade é que o início se constitui desde logo como o oposto do que tradicionalmente seria o começo de uma narrativa, precisamente por anunciar que nada acontece. Ao mesmo tempo, a descrição parcelar das condições atmosféricas, no aparente intuito de localizar a acção no tempo, indicia a impossibilidade de apreender a totalidade, o que é uma das características mais assinaláveis da modernidade.
Não surpreende, portanto, que o romance questione o modelo oitocentista da narrativa, não só porque se baseia, em grande medida, em diálogos reflexivos e em digressões que servem fundamentalmente para prolongar o que é ensaiado nas falas das personagens, mas também porque a ironia se constitui como o próprio modelo estrutural do livro. Esta questão pode ser mais facilmente compreendida se recorrermos a uma cena em que Ulrich, o protagonista, é obrigado a interromper uma série de importantes reflexões por ter chegado ao seu local de destino. O que Musil sugere aí é que o lugar do pensamento no nosso tempo não é mais do que o percurso entre dois espaços, ou seja, o que sobra da acção. Assim, a ironia vira­‑se contra a obra que a funda e impede que esta se tome demasiado a sério, abrindo espaço para a contingência, para a possibilidade, em suma, para o acaso.





posted by João Paulo Sousa at 12:22 AM links to this post





Para quem gosta de ler, a não perder. Tradução primorosa de Barrento. Uma obra de referência para ler sempre. Tipo Bíblia. De frenta para trás, vice versa ou pelo meioo.....
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Musil - O homem sem qualidades I e II
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» virou moda: crucificar homem
» A alma do homem é eterna???
» José Luis de Jesus Miranda - Se diz Jesus Cristo homem.
» (AFA) Homem-Bala
» Quando Deus criou o homem já existia o macaco... (Evolução e Criação)

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: Artes & Letras-
Ir para: