InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Obama foge de tom conciliatório e ataca Hillary

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Vitor mango

avatar

Mensagens : 4711
Data de inscrição : 13/09/2007

MensagemAssunto: Obama foge de tom conciliatório e ataca Hillary   Seg Maio 05, 2008 7:07 am

Obama foge de tom conciliatório e ataca Hillary

Bruno Garcez
Enviado especial da BBC Brasil a Indianápolis



Hillary Clinton em campanha na Indiana Tech University
Hillary Clinton adotou discurso mais amigável em relação a Obama
Em um evento realizado no domingo à noite no Indiana Convention Center, em Indianápolis, o Partido Democrata americano tentou mostrar coesão e passar a mensagem de que permanece unido, a despeito da longa e cada vez mais tensa campanha entre os senadores Hillary Clinton e Barack Obama.

Foi esse o tom de boa parte dos discursos realizados na cerimônia, entre eles o da própria Hillary. Mas enquanto a senadora adotou um tom conciliatório, seu rival jogou críticas bastante diretas às suas posturas e a algumas de suas propostas.

Obama atacou o projeto defendido pelo candidato republicano John McCain e apoiado por Hillary de suspender, durante o verão americano, um imposto cobrado pelo governo federal sobre gasolina.

''A resposta que está sendo dada por alguns é temporária, um indulto a um imposto sobre gasolina que seria adotado durante o verão, que é o mesmo que John McCain defende. Isso só economizaria US$ 0,30 por dia”, disse o senador.

Obama acrescentou que a proposta parece ''um gesto de políticos que buscam acertos até a próxima eleição, em vez de soluções verdadeiras''.

Obama e Hillary disputam, nesta terça-feira, eleições primárias nos Estados de Indiana e Carolina do Norte.

Promessas

O senador também fez referência à suposta tendência de Hillary de fazer promessas que não sabe se poderá cumprir, com o mero intuito de atrair eleitores.

''Eu gostaria de poder prometer que já no primeiro dia eu aprovaria cada plano e cada proposta, mas o meu palpite é que você já ouviu isso antes'', afirmou, arrancando aplausos da platéia.

O recado pareceu claro, uma vez que Obama subiu ao palco logo em seguida a Hillary, que realizou um discurso recheado de promessas.

A pré-candidata afirmou que vai cobrar das companhias petrolíferas os US$ 55 bilhões que elas teriam tido de indulto durante a gestão de George W. Bush e oferecer essa mesma quantia em isenções de impostos para a classe média.

A senadora também afirmou que pretende ''jogar duro com a China''. ''Quando eu for presidente, a China voltará a ser tratada como uma parceira. Nós promovemos livre comércio, mas o tratamento não é recíproco. É hora de dizer basta.''

Bandeira branca

Em outras passagens de seu pronunciamento, Hillary acenou com gestos de paz para com o rival.

''Nós fomos abençoados ao longo de diferentes gerações por homens e mulheres que viam os Estados Unidos como o país que poderia e deveria ser. Graças a eles, agora eu e o senador Obama estamos aqui neste palco. Graças a eles, a próxima geração dá como fato que uma mulher ou um afro-americano poderão ser o próximo presidente dos Estados Unidos.''

Os momentos mais conciliatórios no discurso de Obama foram escassos.

Em um deles ele lembrou de mazelas que atingiram a sua campanha, como as frases controvertidas de seu ex-pastor, o reverendo Jeremiah Wright, comparando-as a um relato feito por Hillary de que ela desembarcou na Bósnia, em 1996, como primeira-dama, sob tiros de franco-atiradores.

Imagens de arquivo divulgadas posteriormente contrariaram os relatos.

''Esta eleição é maior do que tiros de franco-atiradores ou os comentários do ex-pastor'', afirmou.

O senador comentou ainda: ''Estou convencido que a senadora Clinton e eu compartilhamos de alguns dos mesmos valores que vocês, sobre o que o Partido Democrata deve representar''.

A favor ou contra

O senador Evan Bayh, um dos mais fortes correligionários de Hillary em Indiana, comentou que seu apoio à senadora não representa que ele é contra Barack Obama.

O presidente do Comitê Nacional do Partido Democrata, Howard Dean, afirmou que ''esta eleição não é sobre Hillary Clinton ou Barack Obama. É sobre restaurar a autoridade moral de nosso país''.

Obama brincou com a longa duração da campanha presidencial, que já dura 15 meses - ''um período que permite a um bebê nascer e até a começar a falar'' - e sobre os contratempos que a disputa tem oferecido ao líder do partido.

''Eu sei que temos até causado um certo estresse ao presidente (Howard) Dean, mas ele tem se portado de forma digna, como de praxe'', afirmou.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Obama foge de tom conciliatório e ataca Hillary
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» A mega operação para a visita de Obama à Índia.
» Ecumenismo de Obama...
» Judeus não publicam fotos de mulheres. Jornal judaico apaga Hillary Clinton de foto histórica
» Obama felicita novo chefe da igreja ortoxa russa.
» A Re-eleição de OBAMA já estava certa para acontecer?

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: Europa e o Mundo-
Ir para: