InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Vida nova na Costa da Morte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Vitor mango

avatar

Mensagens : 4711
Data de inscrição : 13/09/2007

MensagemAssunto: Vida nova na Costa da Morte   Dom Nov 18, 2007 3:03 am

Vida nova na Costa da Morte




Maria Cláudia Monteiro


Apaziguados, os galegos deixam-se embalar
pela imposição de calendário e voltam a falar do "Prestige". Há muito
que o deixaram de fazer, amaciados pela normalidade dos dias. Cinco
anos depois, as palavras soam distantes, desapaixonadas, mesmo quando
recordam o manto negro que cobriu a Costa da Morte e lhes encheu de
medo a alma. "Querem passar a página, olhar para o futuro". Podem
fazê-lo. Aparentemente, nada mudou.


As gentes na Galiza vivem esquecidas das consequências do derrame de 77
mil toneladas de fuelóleo nas águas que lhes sustentam a vida.
Esqueceram-se porque "o Governo portou-se bem, ninguém ficou mal
servido" e o mar continua generoso. Joaquim Soares, português tornado
galego de Muxía por casamento, toma como suas as lides da vida dos
pescadores. "A vida está boa. Há peixe, há dinheiro", explica. "Em
França, é que ainda ninguém recebeu nada pelos prejuízos".


Nas vilas de pescadores da costa, esta realidade basta para certificar
o regresso à normalidade. "Esperávamos ficar destroçados", conta Andrés
Monteagudo, da Confraria de Pescadores de Aguiño. "Mas o mar é sábio e
de cada vez que se enfurece também ajuda a limpar".


Na substância, a Galiza é hoje uma região muito diferente. Nos últimos
dois anos, inverteu uma tendência de décadas cresceu acima da média
espanhola, a inflação foi mais baixa, criou mais postos de trabalho,
convergiu mais. No esboço do que parece ser a recuperação económica de
uma região tradicionalmente deprimida, o desastre do "Prestige" surge
praticamente como nota de rodapé. "A tragédia não teve efeitos
económicos permanentes, nem a médio, nem a longo prazo", assegura
Martin Moreno, professor de Teoria Económica na Universidade de Vigo.


Heranças da maré negra


Determinante para a aceleração económica foi a mudança política,
precipitada pelos ânimos exaltados pela maré negra. A derrota de Manuel
Fraga Iribarne nas eleições de 2005, ao fim de 16 anos à frente dos
destinos da região, é tida como a grande mudança pós-"Prestige" e o
motor da retoma económica. "Mudou-se o modelo de crescimento da
Galiza", explica o professor universitário da faculdade de Ciência
Económicas e Empresariais.


Há seis trimestres consecutivos que a Galiza cresce acima da média
nacional. "Nós próprios estamos surpreendidos", assegura Martin Moreno.
A dinamização da indústria garantiu a criação de milhares de postos de
trabalho, traduzidos na taxa de desemprego mais baixa da história da
Galiza. Os projectos do "Plano Galiza", anunciados no ano seguinte ao
"Prestige" com o objectivo de compensar a região pelos danos, ainda não
saíram do papel. "Não passam de anúncios e de fotografias", considera o
professor de Economia.


Contas do passado


"Tudo o que venha é bom". As palavras são de Tivo, capitão de um barco
de pesca de Muxia. Toda a gente o diz, por todo o lado, sem valorizar
os discursos enformados de promessas políticas. "Será por todos os anos
que não recebemos nada". Os galegos sabem que o poder central tem
contas a acertar com a Galiza. Esperam-no, desvalorizando
orgulhosamente cada deslocação política à "zona zero" da catástrofe,
cada intervenção. Desvalorizam, cobrando.


Como cobraram durante os dias da maré negra. Dramatizando, admitem
agora. "Houve alguma dramatização. A isso fomos obrigados pelo silêncio
de Madrid", admite Nacho Castro. Talvez assumam agora um exagero, por
constatarem a abissal distância entre o que temeram e a realidade
tranquila de hoje. São muitos os que duvidam dos dias de raiva e de dor
vividos debaixo do manto preto do "Prestige".


Da maré negra, a Galiza herdou a capacidade e um novo gosto de
mobilização da sociedade civil. O espírito do movimento "Nunca Máis",
que encabeçou as denúncias ao silêncio do Governo de Aznar durante os
dias do desastre e as reivindicações de mais meios para a Galiza,
mantém-se em alerta. Fala-se de um "um despertar de consciência" que
nunca mais adormeceu. "Foi por causa da mobilização pelo "Prestige",
que anos mais tarde houve uma resposta tão pronta à guerra do Iraque e
aos incêndios", considera Nacho Castro. "É inquestionável a grande
movimentação social e o movimento de voluntariado nascidos com o
"Prestige", concorda Martin Moreno.



O caso "Prestige" manchou mas sarou



A 13 de Novembro de 2002 o navio
"Prestige" emitia o primeiro sinal de alerta. O petroleiro - construído
em 1976, com um peso de 42 mil toneladas e que transportava 77 mil
toneladas de fuelóleo pesado - haveria de partir-se ao meio a 19 de
Novembro, frente à costa da Galiza, a 260 quilómetros ao largos das
ilhas Ciés. Desde o primeiro momento de dificuldades, percorreu 437
quilómetros. O afundamento do "Prestige" provocou a maior catástrofe
ambiental de Espanha levando para a Costa da Morte quase 400 mil
voluntários, que ajudaram na limpeza das praias, operação que decorreu
ao longo de três meses. Apesar da ameaça, Portugal acabou por escapar à
maré negra. O petroleiro estava a poucas milhas do Cabo Finisterra
quando emitiu o primeiro SOS. A embarcação, proveniente da Letónia e
com destino a Gibraltar, confrontava-se com uma séria tempestade. Nas
horas que se seguiram cinco rebocadores rodearam o petroleiro e
resgataram 27 tripulantes. O casco quebrado começou a derramar milhares
de toneladas de fuelóleo pesado e a indefinição sobre o que fazer com o
"Prestige" deu lugar a uma imensa maré negra. A 19 de Novembro, o
"Prestige" acabou por partir-se ao meio e afundar , permanecendo até
agora no fundo do mar, a 3600 metros de profundidade. Os prejuizos
estimaram-se em 400 milhões de euros.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: Vida nova na Costa da Morte   Dom Nov 18, 2007 6:38 pm

Estes DOENTES MENTAIS de ECOLOGISTO-MENTIROSOS, sap PATETICOS!!!! Esses derramamentos de oleo no oceano, acidentais, sao como eu deitar meia colher de cafe de oleo, numa PISCINA 1000 vezes OLIMPICA!!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Vitor mango

avatar

Mensagens : 4711
Data de inscrição : 13/09/2007

MensagemAssunto: Re: Vida nova na Costa da Morte   Seg Nov 19, 2007 2:39 am

AMERICANO escreveu:
Estes DOENTES MENTAIS de ECOLOGISTO-MENTIROSOS, sap PATETICOS!!!! Esses derramamentos de oleo no oceano, acidentais, sao como eu deitar meia colher de cafe de oleo, numa PISCINA 1000 vezes OLIMPICA!!!

Calma Ron
SZe eu lhe deitar meia colher de ( venenoi ) no seu tanque de água
Adeus RON

Ora meu caro sendo o Mango um ecologista activo e técnico FIZ pela primeira vez em Portugal uma exposição ecológica em Coimbra na CIC 1988 onde foi não só o Cavaco mas praticamente todo o Governo
Avisei dos erros enormes ecológicos do vale do Mondego quando eles deitaram abaixo 100.000 árvores barraram as margens com cimento armado e disseram que aquele vale era para fazer agricultura
lol! lol! lol! lol! lol! lol! lol! lol! lol!

Fui para a radio e TV para que um técnico responsável vir ate mim para me ensinar como seria possível fazer agricultura sem Micorrizas e sem corredor ecológico e como os cidadãos de Coimbra iam molhar os pés ao mondego
Ate a Maria Santos mandou uma boca que arvores não
Mas quando todos viram a BROOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOCA
veio tudo dar a mão
A Maria Santos escreveu-me para meter uma lei ecológica
O Director do Projecto a desdizer o que tinha dito
e a associação dos agricultores depois de terem apanhado uma praga da lagartas veio ao terreno que era necessário proteger e vigiar a ecologia
Anos depois ( Poucos ) os diques rebentgaram e EREIRA foi inundada ( uma bronca que eu tinha previsto visto que conhecia bem o Vale como Director de....

Portanto meu caro RON
Quando vir alguma coisa escrita por técnico registe
Porque um técnica nada tem de politico
Diz do que sabe
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Convidad
Convidado



MensagemAssunto: Re: Vida nova na Costa da Morte   Seg Nov 19, 2007 2:43 am

ESTABEM, mas o facto e que meia colher de cafe , numa PISCINA 1000 vezes maior que uma olimpica, nao e para esses ESCANDOLO que fazem os ECOLOGISTAS-ESQUERDISTAS!! Nem na minha piscina de 500 000 litros!!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Vida nova na Costa da Morte   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Vida nova na Costa da Morte
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» COMMA JOHANNEUM - São três que testificam no Céu - 1Jo 5.7-8
» O crente que comete um pecado para morte vai para o inferno ou somente morre fisicamente?
» Como enxergar a musica "Ao findar o labor desta vida" com a morte do ser humano?
» Obrigado Senhor por mais um dia de vida!
» As últimas palavras dos ateus na hora de sua morte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: Europa e o Mundo-
Ir para: