InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Israel determina racionamento de energia em Gaza

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Vitor mango

avatar

Mensagens : 4711
Data de inscrição : 13/09/2007

MensagemAssunto: Israel determina racionamento de energia em Gaza   Sex Fev 08, 2008 12:39 pm

Israel determina racionamento de energia em Gaza

Guila Flint
De Tel Aviv para BBC Brasil



Soldados israelentes na Faixa de Gaza
Israel fornece cerca de 70% do total de energia consumido em Gaza
O Ministério da Defesa de Israel determinou a diminuição da energia fornecida à Faixa de Gaza em 1 megawatt por semana a partir desta sexta feira.

A medida faz parte das sanções à população palestina em represália ao lançamento de foguetes contra o sul de Israel.

O ministro da Infra-Estrutura, Binyamin Ben Eliezer, afirmou que Israel cortou 5% de uma das dez linhas de energia à Faixa de Gaza que representam 1% do total de energia fornecido pelo país à região.

Israel fornece cerca de 120 megawatts por dia, 70% do total da energia consumida pela população palestina da Faixa de Gaza.

"Nenhum país pode tolerar que os consumidores atirem contra a usina elétrica que produz a energia que lhes é fornecida", disse Ben Eliezer, referindo-se a foguetes que militantes palestinos tentaram lançar contra a usina elétrica de Ashkelon.

Direitos humanos

A medida de Israel foi criticada por grupos de direitos humanos. A organização americana Human Rights Watch descreveu a decisão como "punição coletiva", e o grupo israelense Betselem afirmou que "Israel tem o direito de proteger seus cidadãos, mas deve agir de acordo com a lei humanitária internacional, e não punir os civis palestinos".

Em resposta às ONGs, o ministro Ben Eliezer disse que "as crianças israelenses em Sderot também têm direitos".

Em outubro, o ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, já havia aprovado uma série de sanções contra a população de Gaza, entre elas o corte de energia.

Em janeiro, Israel interrompeu por dois dias o fornecimento de combustíveis que garantem o funcionamento da única usina de energia da região.

Desde que o Hamas tomou o controle da Faixa de Gaza, em junho, a população da região tem sofrido com cortes de luz.

Nos últimos meses, militantes palestinos da Faixa de Gaza lançaram em média 15 foguetes por dia contra o sul de Israel, principalmente contra a cidade de Sderot, que fica próxima à fronteira com o território palestino.

Um sistema de alarmes foi instalado na cidade e, cada vez que um foguete é lançado da Faixa de Gaza, as sirenes soam e levam a população a um estado de pânico.

Mais de 3 mil habitantes já abandonaram a cidade, e a população de Sderot exige que o governo garanta sua segurança e "resolva o problema de Gaza".

No entanto, apesar de ataques militares quase que diários contra os militantes palestinos, e das sanções impostas à população civil, os foguetes continuam sendo lançados.

Oposição

Nos últimos três dias, as tropas israelenses mataram 16 palestinos na Faixa de Gaza, e o bloqueio à passagem de mercadorias ainda é mantido.

No entanto, o número de foguetes lançados contra o sul de Israel aumentou para 22 nesta sexta feira.

O líder da oposição, Binyamin Netanyahu, do partido de direita Likud, exigiu que o governo endureça suas ações e "dê um golpe decisivo para parar os foguetes".

Netanyahu defende uma ampla operação militar que poderia levar à reocupação da Faixa de Gaza pelas tropas israelenses.

O presidente palestino Mahmoud Abbas condenou o lançamento de foguetes contra civis israelenses e afirmou que eles "só servem para dar pretextos aos ataques de Israel".

Abbas também condenou as ações militares de Israel na Faixa de Gaza, que descreveu como "massacres".

Sem trégua

O presidente palestino propôs negociar um "cessar-fogo recíproco". Com o acordo, Israel pararia os ataques à Faixa de Gaza, e os militantes palestinos parariam de lançar foguetes contra Israel.

Tanto Israel quanto o Hamas rejeitaram a proposta do líder palestino.

O Hamas afirmou que "Abbas não tem legitimidade para negociar em nome dos palestinos".

Já os ministros israelenses rejeitaram a idéia de um cessar-fogo com o Hamas.

O ministro da Defesa israelense, Ehud Barak, declarou que "enquanto os foguetes continuarem, Israel vai intensificar mais e mais os golpes contra os palestinos, até que o problema seja resolvido".

O ministro do Interior, Meir Shitrit, se opôs ao cessar-fogo com o Hamas e afirmou que o grupo palestino "certamente aproveitaria a trégua para se armar e se fortalecer ainda mais".

"Com os palestinos de Gaza, devemos falar em árabe, e não em inglês", disse Shitrit. "Eles só entendem a linguagem da força.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Israel determina racionamento de energia em Gaza
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Acréscimo percentual - sobretaxas
» ISRAEL: MAIOR SINAL DOS FINAL DOS TEMPOS
» Israel e o Messias
» Judeus de Israel e da Alemanha rejeitam contatos com representantes do Vaticano.
» A futura invasão Russa por Israel

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: Europa e o Mundo-
Ir para: