InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Almirante Vermelho

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Cogito, ergo sun



Mensagens : 761
Data de inscrição : 09/04/2008
Idade : 97

MensagemAssunto: Almirante Vermelho   Seg Abr 28, 2008 4:24 pm

Aterosclerose (hipótese benigna)





Há duas semanas, António Barreto divagou longamente no Público acerca de uma carta atribuída a Rosa Coutinho, na qual o Yul Brynner do PREC aconselhava Agostinho Neto a comer criancinhas (brancas) ao pequeno-almoço. A carta, reproduzida em fac-simile num livro editado algures, havia sido encontrada, em 1975, na África do Sul do apartheid.

Barreto chamou-lhe um figo. Nem por um momento lhe passou pela cachimónia que pudesse tratar-se de uma provocação. Nem por um momento suspeitou que o mais elementar bom senso aconselharia a que tais “sugestões” não fossem feitas por escrito e, muito menos, aparecessem, como por encanto, em mãos amigas ligadas ao apartheid e a sectores do colonialismo em decomposição.

Atirada a pedra, Barreto escondeu a mão e assobiou para o lado. A blogosfera insurgiu-se e o colunista do Público assobiou para o lado. A situação complicou-se quando o provedor dos leitores do Público foi inundado de protestos.

Então, António Barreto aproveita um desmentido formal de Rosa Coutinho à Visão para, com a mesma ligeireza com que atirou a pedra, escrever ontem no Público: “Lamento ter utilizado como argumento esse documento apócrifo. As minhas desculpas ao senhor Almirante e aos leitores.” É isto uma postura séria?




posted by Miguel Abrantes @ 28.4.0



Câmara Corporativa
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Vitor mango

avatar

Mensagens : 4711
Data de inscrição : 13/09/2007

MensagemAssunto: Re: Almirante Vermelho   Ter Abr 29, 2008 1:34 am

Cogito, ergo sun escreveu:
Aterosclerose (hipótese benigna)








Há duas semanas, António Barreto divagou longamente no Público acerca de uma carta atribuída a Rosa Coutinho, na qual o Yul Brynner do PREC aconselhava Agostinho Neto a comer criancinhas (brancas) ao pequeno-almoço. A carta, reproduzida em fac-simile num livro editado algures, havia sido encontrada, em 1975, na África do Sul do apartheid.

Barreto chamou-lhe um figo. Nem por um momento lhe passou pela cachimónia que pudesse tratar-se de uma provocação. Nem por um momento suspeitou que o mais elementar bom senso aconselharia a que tais “sugestões” não fossem feitas por escrito e, muito menos, aparecessem, como por encanto, em mãos amigas ligadas ao apartheid e a sectores do colonialismo em decomposição.

Atirada a pedra, Barreto escondeu a mão e assobiou para o lado. A blogosfera insurgiu-se e o colunista do Público assobiou para o lado. A situação complicou-se quando o provedor dos leitores do Público foi inundado de protestos.

Então, António Barreto aproveita um desmentido formal de Rosa Coutinho à Visão para, com a mesma ligeireza com que atirou a pedra, escrever ontem no Público: “Lamento ter utilizado como argumento esse documento apócrifo. As minhas desculpas ao senhor Almirante e aos leitores.” É isto uma postura séria?




posted by Miguel Abrantes @ 28.4.0



Câmara Corporativa


Claro que o Barreto nunca deveria ter agitada a caca ja que ele não só fedava a merda mas via-se a km que era mesmo esterco ...ao meter a caneta na dita conspurcou-se
Meus caros isso sucede aos melhores narizes ...ás vezes falham
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Almirante Vermelho
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Provas do Êxodo e da Travessia pelo Mar Vermelho
» Retirada de filtro infra vermelho de uma DSLR
» Olha o Mar Vermelho o povo de Israel assim exclamou
» Se 1000 L de água do mar Vermelho
» Comando Vermelho e ADA desafiam governo no Youtube

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: Opinião & Liberdade de Expressão-
Ir para: